Economia
0

Leite, feijão e tomate desaceleraram a inflação

Os preços de alimentos como o leite longa vida, feijão carioca e tomate foram os que mais contribuíram para a desaceleração da inflação no final de 2016. De acordo com o IPCA, índice oficial de inflação do País, para o mês passado apresentou queda frente ao registrado feito em outubro, quando esteve em 0,26%. Preços […]

Leite, feijão e tomate desaceleraram a inflação

Os preços de alimentos como o leite longa vida, feijão carioca e tomate foram os que mais contribuíram para a desaceleração da inflação no final de 2016. De acordo com o IPCA, índice oficial de inflação do País, para o mês passado apresentou queda frente ao registrado feito em outubro, quando esteve em 0,26%. Preços do etanol, de planos de saúde e custos com empregados domésticos, por outro lado, foram os itens que mais contribuíram para uma alta no índice.

Entre as razões para a queda dos alimentos, que representam quase um terço no cálculo do IPCA, está o fim do período climático difícil – chuvas no Sul e Sudeste e secas no Nordeste, que trouxe alento a produtos importantes na cesta de compras do brasileiro. O leite longa vida caiu 7% de preço, tendo tido impacto de -0,08 ponto percentual nos 0,18% do IPCA do período. Foi o maior impacto individual de produtos na inflação do mês.

O feijão carioca, que teve queda de 17,52%, contribuiu com 0,07 ponto percentual do indicador. O tomate teve queda de 15,15%, bem como a batata inglesa, que recuou 8,29%. Os dois produtos tiveram pesos de 0,04 e 0,02 ponto percentual, respectivamente.

O quinto item da lista das maiores quedas proporcionais não é alimento: a gasolina caiu 0,43% no período, impulsionada pelos anúncios de cortes de preços da Petrobras. A gasolina teve peso de 0,02 ponto percentual no indicador.

Subiram

Os principais itens que puxaram o indicador para cima estão nos grupos de transporte, despesas com saúde e cuidados pessoais e gastos com habitação. O etanol, por exemplo, cresceu 4,71% e foi o item que individualmente teve o maior impacto na composição do IPCA, de 0,04 ponto percentual dos 0,18% do mês.

O setor de álcool no País teve produção menor este ano e os estoques para o período de entressafra, iniciada a partir de outubro, estão mais baixos, o que pressionou para cima o preço do produto.
O segundo vilão da inflação foram os planos de saúde, que subiram 1,07% e responderam também por 0,04% do IPCA do período. O mesmo impacto teve a alta de 0,87% do custo com empregados domésticos. Novembro é o mês de pagamento de 13º para aqueles que têm carteira assinada, embora faça parte do segmento que mais ajudou a inflação no mês – alimentos e bebidas -, as frutas figuram no rol dos dez maiores vilões do IPCA, ocupando o quarto lugar. As frutas subiram 3% em novembro, respondendo por 0,03% do indicador. Já o lanche fora – que é a refeição fora de casa que não é necessariamente almoço ou janta- completa a lista dos cinco produtos ou serviços que mais contribuíram para alta do indicador, tendo variado em 0,82%, com peso de 0,02 ponto percentual.

Compartilhar:
  • googleplus
  • linkedin
  • tumblr
  • rss
  • pinterest
  • mail

Escrito por trcom

There are 0 comments

Leave a comment

Want to express your opinion?
Leave a reply!