Educação
0

Vestibular 2019 da Ufrgs

Está disponível no site da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) a lista de leituras obrigatórias para o vestibular 2019. Foram incluídas quatro obras em substituição aos textos de Fernando Pessoa, Machado de Assis, Aluisio Azevedo e Pe. Antônio Vieira que figuraram na relação por três anos. A principal novidade para 2019 é […]

Vestibular 2019 da Ufrgs

Está disponível no site da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) a lista de leituras obrigatórias para o vestibular 2019. Foram incluídas quatro obras em substituição aos textos de Fernando Pessoa, Machado de Assis, Aluisio Azevedo e Pe. Antônio Vieira que figuraram na relação por três anos. A principal novidade para 2019 é a inclusão de Hamlet, de William Shakespeare, marcando uma mudança importante na concepção da prova.

Confira a lista completa das leituras obrigatórias:

1 – Florbela Espanca – Poemas
2 – Machado de Assis – Papeis avulsos
3 – Maria Firmina dos Reis – Úrsula
4 – William Shakespeare – Hamlet
5 – Valter Hugo Mãe – A máquina de fazer espanhóis
6 – Carolina Maria de Jesus – Quarto de despejo: diário de uma favelada
7 – Elis & Tom – Álbum/Disco de 1974
8 – Michel Laub – Diário da queda
9 – Erico Veríssimo – O Continente
10 – Chico Buarque e Paulo Pontes – Gota d’Água
11 – Caio Fernando Abreu – Morangos Mofados
12 – Clarice Lispector – A Hora da Estrela

Diário da queda – Um garoto de treze anos se machuca numa festa de aniversário. Quando adulto, um de seus colegas narra o episódio. A partir das motivações do que se revela mais que um acidente, cujas consequências se projetam em diversos fatos de sua vida nas décadas seguintes — a adolescência conturbada, uma mudança de cidade, um casamento em crise —, ele constrói uma reflexão corajosa sobre identidade, afeto e perda. São três gerações, cuja história parece ser uma só; são lembranças que se juntam de maneira fragmentada, como numa lista em que os fatos carregam em si tanto inocência quanto brutalidade.

A máquina de fazer espanhóis – A máquina de fazer espanhóis, estreia de Valter Hugo mãe na Cosac Naify, é uma emocionante história sobre a velhice, a amizade e o amor. Em Portugal, o romance foi o segundo livro de ficção mais vendido em 2010. Edição da Cosac Naify tem capa ilustrada por Lourenço Mutarelli. O autor é um dos principais convidados da Flip 2011. Com um estilo de prosa que José Saramago definiu como um tsunami linguístico, semântico e sintático, além de ser o vencedor do Prêmio Literário José Saramago em 2007.

Compartilhar:
  • googleplus
  • linkedin
  • tumblr
  • rss
  • pinterest
  • mail

Escrito por trcom

There are 0 comments

Leave a comment

Want to express your opinion?
Leave a reply!