banner 1280x156-01
banner-site_confmark
banner-site_iort
banner-site_iort
banner-site_mdbertollo
banner-site_confmark
banner 1280x156-01
banner-site_iort
banner 1280x156-01
Banner Revista Mais Matéria 970x904195570

Alimentação
0

Comendo fora de casa: cuidados no verão

Durante o verão, é preciso redobrar o cuidado com as comidas de rua. O calor deteriora os alimentos com mais facilidade e o consumo de alimentos produzidos ou armazenados de forma inadequada pode atrapalhar os dias de diversão. Alimentos e bebidas também correm o risco de serem contaminados por microrganismo que podem causar infecções ou […]

Comendo fora de casa: cuidados no verão

Durante o verão, é preciso redobrar o cuidado com as comidas de rua. O calor deteriora os alimentos com mais facilidade e o consumo de alimentos produzidos ou armazenados de forma inadequada pode atrapalhar os dias de diversão. Alimentos e bebidas também correm o risco de serem contaminados por microrganismo que podem causar infecções ou intoxicações alimentares. Por isso, é preciso estar sempre atento aos alimentos que você consome.

Os sintomas mais recorrentes destas infecções são diarreia líquida, náusea, vômitos, cólicas abdominais, e febre em alguns casos. Em geral eles passam em três dias, mas podem durar de um dia até uma semana. Alguns microrganismos podem causar reações mais graves, como distúrbios neurológicos, nos rins, no fígado, alérgicos, infecção generalizada e até morte.

A causa mais frequente de contaminação dos alimentos é o preparo inadequado, seja pela falta de higienização da matéria‐prima ou pela falta de higienização das mãos, dos utensílios e da superfície da pia. Pessoas com lesões na pele ou com ferimentos nas mãos, ao manipular os alimentos, também podem contaminá-los. Outro problema é o hábito de deixar a comida preparada ou suas sobras muito tempo fora da geladeira, isto é, em temperatura ambiente. Sabe‐se que duas horas após o preparo, bactérias e toxinas começam a se desenvolver/multiplicar‐se.

A ingestão de determinados produtos de origem animal (carnes bovina, suína, aves, ovos, peixes e frutos do mar, leite e derivados não pasteurizados) crus ou mal cozidos também representam importante fator de risco para a ocorrência de infecções ou intoxicações, assim como o consumo de verduras cruas e frutas não apropriadamente higienizadas e desinfetadas.

Fique atento à higiene do local em que você for comer. Caso compre de um vendedor ambulante, atitude muito comum em praias, verifique se o alimento está bem acondicionado.

Dicas

– Evite carnes (bovina, suína, aves, peixes) e todos os alimentos de origem animal, como ovos, crus ou mal cozidos. Certifique-se que eles foram bem assados antes de consumir;
– Lave sempre as mãos antes de comer, após utilizar o banheiro e ao chegar da rua;
– Se for consumir frutas com casca, lave-a bem com água potável;
– Latas e garrafas de refrigerantes ou outras bebidas devem ser lavadas com água e sabão antes de serem guardados em geladeira e ou consumidos;
– Maioneses e outros molhos devem ser consumidos quando estiverem em saches. Não consuma esses alimentos em bisnagas e frascos reutilizáveis;
– Evite adicionar gelo nas bebidas. A água pode não ser tratada;
– Varie a cor da comida. Escolha verduras, legumes, carboidratos e proteínas de maneira a deixar o prato colorido. Assim você garante a ingestão de diferentes nutrientes importantes para o organismo;
– Perto do seu escritório, avalie as opções de restaurante que também se preocupam em oferecer opções mais saudáveis, além do cuidado no preparo e higiene como um todo;
– Turbine a salada com as “sementinhas mágicas”, como quinua, gergelim, etc. Elas contêm todos os macronutrientes (carboidratos, proteínas, gorduras e fibras);
– Comer rápido e sem prestar atenção ao alimento atrapalha o processo enzimático e, por consequência, a digestão. Faça algumas respirações profundas e tranquilas, desta forma poderá amenizar as tensões e a ansiedade antes da refeição;
– Evite alimentos pesados, como carnes vermelhas e frituras. Essas comidas podem aumentar o sono quando você voltar ao trabalho, além de aumentar os níveis de colesterol ruim (LDL);

Compartilhar:
  • googleplus
  • linkedin
  • tumblr
  • rss
  • pinterest
  • mail

Escrito por trcom

There are 0 comments

Leave a comment

Want to express your opinion?
Leave a reply!